Semana de Páscoa: a Figueira, o Templo e o Candelabro

Semana Santa: O templo, a figueira e o candelabro

Marcos 11 de todos os evangelhos que relatam a entrada de Jesus em Jerusalém, nenhum capta algum fio de verdade como Marcos. Esta passagem em Marcos 11 foi usada para justificar a verdade sobre o exercício da fé, embora retirada do seu contexto original.

Depois de colocá-lo em seu contexto, e aplicando em uma situação atual mais potente, a verdade se torna. Jesus acabara de chegar a Jerusalém, sem fazer nada além de examinar o templo, observando e depois partindo para Betânia, onde vimos o que aconteceu ontem na mensagem que publiquei para esta semana especial da Páscoa.

Jesus então passa por uma figueira. Quem não conhece a figueira, não sabe por que Jesus amaldiçoou a figueira. Uma figueira, embora não seja a estação das frutas, pode-se dizer uma boa estação pela quantidade de folhas. Neste exemplo, a figueira em questão estava cheia de folhas. Portanto, havia pouca ou nenhuma fruta naquela estação.

No dia seguinte, Jesus entrou no templo e expulsou todos os negócios de lá, vendendo animais e todo tipo de “mercadoria religiosa”. Ele reitera o propósito do templo, sendo uma casa de oração para todas as nações.

Na saída, eles passam pela figueira, seca e morta. Pedro comenta como a maldição de Jesus viajou das raízes para cima. Aqui vemos que há uma conexão entre a figueira e a casa de oração de Deus. O “espetáculo de folhas” e “nenhum fruto” representava a fé da nação naquele tempo, era tudo aparente sem frutos para dar frutos. De fato, o fruto que precisamos dar pertence ao processo do Espírito Santo na vida do crente.

A maldição de Jesus é aquela que trabalha desde a raiz. Ele ataca a raiz primeiro, levando a morte a uma raiz ruim. Do reino invisível, das motivações, da maneira como as coisas são concebidas.

Sabemos pela história que este templo foi destruído em 70 dC, todos os seus sacrifícios pararam, todas as suas intercessões cessaram até agora. Jesus havia removido seu “candelabro”.

O fruto que Jesus está procurando é o que corresponde a Isaías 11 e Gálatas 5 juntos. E agora vimos nesta crise internacional que edifícios, igrejas foram fechadas, todas as intercessões delas foram interrompidas, todos os “sacrifícios de louvor” cessaram deles. Pode ser uma medida temporária por causa de um vírus mortal, mas deixou claro onde está nossa “Igreja”. Certamente, a remoção de Sua Bênção por Jesus impedirá motivações, projetos e captação de recursos. De fato, Jesus expulsou os cambistas do templo. A “maldição” ocorre no Espírito, nessa dimensão em que a vida divina flui, cessa e a morte se instala.

De fato, existem duas visitas distintas ao templo aqui em Marcos 11. A primeira foi a observação da outra sendo um confronto. Por tanto tempo, houve erros e abusos no Corpo, que Deus enviou esta situação em que estamos agora, ou Ele permitiu. Por mais que olhemos, estamos vendo os frutos. As fundações estão sendo abaladas, para o grande ministério é um tempo instável, para aqueles tão preparados que estão progredindo para a plena estatura de seu chamado. Talvez por 40 anos ou mais, Jesus esteja observando agora, e agora neste ano de 2020 ele veio para confrontar e expulsar nossos “cambistas”. O zelo de Jesus é revelado, e Sua ira contra Mamom no santuário é clara.

Quando deixamos essas outras coisas entrarem e a estruturação política, nosso núcleo central e motivação de existência deixam de arder, nosso amor por nosso Senhor. O próprio Senhor confronta Éfeso em Apocalipse 2, com um aviso, de que Ele removeria o candelabro. Vemos este candelabro em Zacarias 4, sustentando a nova restauração da fundação do templo. Vemos que eles plantam uma obra restauradora de Deus com Israel quando ela sai do cativeiro.

Este é o trabalho que Jesus está fazendo em Marcos 11, Ele está fechando o atual Templo. Ele está lançando as bases para o seu novo templo invisível. Aqui em Zacarias 4, recebemos o significado da figura acima: “não é pelo poder humano, nem pelo poder, mas pelo Espírito”. Aqui em Atos 2, vemos como Deus inaugura Seu Terceiro Templo, é uma Habitação invisível no Espírito. (Efésios 2:22).

A repreensão de Cristo à Igreja em Éfeso é uma que justifica aos Seus olhos a remoção do seu candelabro, pois eram mornos no seu amor por Jesus. Quando você considera que Éfeso foi o destinatário do maior tratado teológico da carta de Paulo, uma nova geração se levantou não tinha a mesma paixão, pois faz 35 anos que a carta foi recebida.

Jesus não estava fundando um edifício, mas produzindo uma noiva.

A Noiva é caracterizada por sua preparação do Espírito para ser a amante de Jesus, daí a severidade de Sua repreensão. É uma repreensão à sombra de um amor que já foi sentida, foi uma vida espiritual como uma sombra de sua regeneração.

Este dia de preparação para a semana da Páscoa tem tudo a ver com o que estamos experimentando agora. Nosso amor está sendo testado, nossas motivações são esclarecidas. Nosso futuro dependerá se passarmos no teste da figueira de Jesus. Nossa vida tem todas as folhas e nenhum fruto?

Nesta semana da Páscoa, podemos refletir sobre a mensagem que Ele está nos enviando.

Shalom

2 thoughts on “Semana de Páscoa: a Figueira, o Templo e o Candelabro

Add yours

  1. Please send me the English version of this.  I did not subscribe to Spanish.  Thank you

    Sent from Yahoo Mail for iPhone

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

Up ↑

%d bloggers like this: